segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Olhos no céu

Nuvens pensantes de todas as formas,
Eram todos os anjos cobertos de pureza,
Pescando as estrelas, do alto do mundo,
Onde o céu não tem limite,
Onde o coração levita dentro do peito,
Onde a paz da sinfonia celeste deixa tudo mais belo.

Do barco à vela, via-se o concerto,
O maestro era feito de luzes,
E as notas tão simples e amenas,
Parecia vir de nossas próprias mentes.

A chuva de fogo das pedras encantadas,
Deixou seus rastros no horizonte,
No teatro das almas dançantes,
Do sorriso, e do amor.

Um sonho de um homem - das eras passadas,
Do romantismo, dos campos e montanhas,
De um filme, em plena realidade.

Nenhum comentário: